NA AREIA DA PRAIA

 

Por Iordan Oliveira do Rosário

Ontem eu estava assim, sei lá, meio sem emoção, vazio de inspiração para versar, procurava por um lugar ideal para minha inspiração voltar.
Ao cair da tarde, sentei-me na areia da praia de frente para o mar olhando o infinito vendo o tempo passar, acendi um cigarro para me distrair por um instante, deixei minha mente vagar o silêncio do mar, a brisa fresca que sopra me fez no tempo voltar, clima convida de recordar.
Na beira da praia de frente para o mar, no ar o cheiro bom de terra molhada que brota do chão quando do céu cai chuva nas mansas e ensolaradas tardes de verão. 
Na areia da praia de frente para o mar falou meu coração, aflorou recordações, viajei na jangada da ilusão nas águas cristalinas do rio Abraão, na roda da vida me vi criança jogando pião, peladeiro de praia com muita vibração, vi visitantes tomando banho na água gelada do prazeroso Bicão.
Na areia da praia de frente para o mar, a natureza vem me alimentar, e me inspirar, vi o sol se esconder,  e a lua cheia despontar, vi o pescador e sua canoa sair para pescar, também vi o santo da terra empolgado seus causos contar, no forro do canto com as sereias seus paços marcar, meu santo é bom de mais recordar. Leia mais »

A(O) PREFEITA(O) DOS SONHOS

 

Por Amanda Hadama

Dia desses, Altair Assumpção, atual sócio da Sustainable Hub e previamente superintendente do Banco Satander, disse em uma aula na Fundação Getúlio Vargas em São Paulo a seguinte sentença: prosperidade é diferente de crescimento. “Se quisermos construir um futuro sustentável, é mandatário que aprendamos a ser prósperos sem a necessidade de crescimento” – dizia ele. 
Essa é uma reflexão que vem a calhar nesse momento, as vésperas das eleições municipais. Pensemos sobre o nosso município. De identidade confusa, Angra deglute indiscriminadamente todas as oportunidades econômicas que lhe chegam, sem decidir por nenhuma prioridade. Cresce em tamanho, cresce em arrecadação, sem planejamento, sem lógica, sem coerência alguma.  
Portland, uma cidade da Costa Oeste dos Estados Unidos, aprovou esse ano um plano estratégico elaborado em conjunto com a população que guiará a gestão municipal até 2035. Cada prefeito que é eleito precisa integrar-se a essa concepção maior e construída coletivamente. O plano de Portland é apresentado com as seguintes palavras: “Nos últimos três anos, a Prefeitura, instituições parceiras, a comunidade e o setor privado se juntaram para imaginar a Portland de 2035, e juntos nós criamos uma mapa para chegar até lá. (…) O novo Plano da cidade pensou em um caminho para se construir um lugar em que haja prosperidade, educação, saúde e igualdade. Esse plano foca não apenas um lugar, mas as pessoas.” 

Leia mais »

Amorosidade

Dizem que falta amorosidade entre as pessoas nos dias de hoje. O que exatamente isso significa?

Por Eugenio Mussak

-Há dois tipos de pessoas no mundo. As que vivem em estado de egoísmo e as que vivem em estado de amor.

Faz muito tempo que eu escutei essa ponderação de uma pessoa muito amorosa, inteligente e uma pianista excepcional: a professora Adelaide Moritz, minha mestra na música e na vida. Nunca me esqueci de sua análise por dois motivos: porque ao colocar “estado de” antes dos substantivos egoísmo e amor, ela criou uma nova classificação da condição humana; e porque ela qualificou o egoísmo como o antônimo de amor, e não o ódio, como seria de esperar.

Ela fez isso porque não se referia ao amor em si, e sim à condição de amar como um jeito de ser. É quase uma filosofia viver em estado de amor, o mesmo que estar conectado com o mundo por um cordão de luz, que ilumina as relações e as torna sempre agradáveis, independentemente de serem afetivas, familiares ou profissionais. Leia mais »

26 mil quilômetros de bicicleta


Por Karen Garcia

             Passaram pela Ilha Grande nesse fim de semana de dez de agosto, o casal Felipe e Pamella, responsáveis pelo projeto “Nas Rodas do Destino” que consiste em nada mais nada menos do que pedalar 26 mil quilômetros em uma viagem de bicicleta, contornar a América do Sul cruzando 7 países em aproximadamente um ano e meio.
        O principal objetivo do projeto é incentivar o uso da bicicleta como um meio de transporte sustentável, sem impacto
ambiental além de proporcionador de qualidade de vida.
O trajeto dessa expedição prevê cruzar alguns dos lugares mais duros do planeta como o rio Amazonas, a cordilheira dos Andes, o deserto do Atacama, o deserto de sal do Uyuni, o lago Titicaca entre outros.
            Nessa passagem o casal ministrou uma palestra na casa de cultura do Abraão na Ilha Grande onde falaram sobre conscientização ambiental, exibiram fotos dessa expedição contando um pouco de suas aventuras além de darem muitas dicas para quem quer começar a viajar de bicicleta. Leia mais »

A posse sobre o próprio corpo. Considerações diversas.

Por Roberto J. Pugliese

Atualmente não se confunde mais como outrora o ser humano, com os demais seres que integram e constituem a natureza. O homem é personalidade, que constitui ser indelevelmente distinta dos demais elementos integrantes do planeta, animados ou inanimados, considerados coisa e juridicamente submetidos ao Direito das Coisas. Daí decorre que o tratamento no que tange ao homem, sua integridade física e moral, seus elementos físicos constitutivos, de ordem biológica que no todo, promovem a vida humana são dispensados de modo distinto e forma especial que as coisas. Protege-se a vida.
Mas não somente a vida é tutelada, pois isoladamente, a vida humana não existe. Protegem-se todos os elementos indispensáveis à existência física do ser humano. Não se desassocia a vida integral dos seus elementos que a constituem, e por tudo já exposto, com expressas condições normativas na Magna Lei, a vida digna está prevista para ser protegida no todo de suas partes integrantes, notadamente como se observa dos princípios inseridos no próprio texto constitucional. Leia mais »

A sensibilidade feminina

O dia em que o homem entender melhor a química da mulher, seu fim biológico, a força do instinto materno, o amor materno, seu grau de sensibilidade e a interdependência que gera mãe/filho/marido ou similar, possivelmente a entenderá melhor.
Vendo uma entrevista com Chico Buarque me fez pensar sobre esta viagem tão delicada, gostosa, incógnita e pela beira do abismo que é a sensibilidade feminina. Referindo-me ao abismo pela complexidade do assunto, onde muitas vezes no “subjetivo é a morada do objetivo”. O Chico demonstrou ser um homem que entendeu as mulheres, sua sensibilidade e consegue transmitir isso muito bem no seu poético e no musical, mas mesmo com seu vasto acadêmico “patinou” para explicar sob o interrogatório da repórter.

Leia mais »

SAUDADE

Esta palavra simples, ao que sei só existe em português, traz de dentro sempre uma recordação boa, uma coisa que marcou e que gostamos de lembrar, mesmo com as lágrimas regando o rosto. Oh que saudade! Quer emoção mais forte que isso? Saudade, uma lembrança gostosa! Ela concretiza o espaço vazio! Traz o longe para perto; o abstrato não existe, tudo é concreto! Surrealismo? Sonho? Viagem? Talvez! Não importa o que seja, o que importa é que ela transcende e é capaz de reverter o tempo! Saudade da querência, dos idos tempos, da mãe, do pai, do que estimamos, da “cara metade”, da porteira onde o cão nos recebia sorrindo, dos momentos… Leia mais »

Já é Fevereiro

 

Acordo, levanto, abro portas e janelas, preparo meu café, sento à mesa, a emoção me envolve neste instante, que me pego a observar o meu entorno. Sorrio e a primeira sensação é de estar dentro de um grande berço e alguém começa a me embalar.
Meu Deus! O silencio!
Que lindo! Que bom é ouvir o barulho da natureza!
Um casal de papagaios tagarelando cruza sob o céu azul.
As cigarras e cigarrinhas cantam, chiam no meu jardim.
A cachoeira desliza  mansamente ao meu lado.
O mar no seu chuáaa, chuáaaa, avisa-me de mansinho que está aos meus pés.
Uma brisa, livre, leve e solta refresca os meus pulmões. Leia mais »

Tributo à Augusto Machado, Bolinho.

A vós menino, rei das ondas de Lopes Mendes.. onde estarás?

Alteza que navegou neste mar de além
Uma vez sonhei neste mar… Neste paraíso
Grande beleza jovem, que pereceu na flor da idade
Uma vez lembrei, na poesia da grandeza de você
Senhor das ondas… Menino que partiu
Tua lembrança, estará retratada nesta ilha
Onde o sonho dos jovens nasce, Leia mais »

PORTO QUE É

Porto – Portugal Por Pedro Veludo

Viagem a Portugal, Pedro VeludoSubo pela segunda vez à torre (dos Clérigos). A primeira foi há muitos anos com meu pai. Lá, no andar mais alto, no sino maior, ele escreveu, em vermelho, os nossos nomes. Escreveu… ou disseram-me que ele escreveu, ou eu sonhei que ele escreveu (ou eu quis muito que ele tivesse escrito).

Porto que me lembra pai, lembra frio e broa. Lembra cozinha da avó com cafeteira de cevada ao lume.

Porto, meu “pequeno” Porto, da Praça dos Poveiros e Jardim de São Lázaro, onde eu prendia folhas secas apanhadas do chão, com palitos de fósforos, formando coroas que punha na cabeça e pendurava ao pescoço, desfilando feito herói de mim mesmo. Leia mais »